sexta-feira, 15 de abril de 2011

U2 360°

Sexta, dia 08 de abril de 2011. Trabalhar que é bom, nada. A cabeça voa longe tão rapidamente que a internet é irritantemente lenta demais para acompanhar meu raciocínio. Acaba o expediente, saio do banco direto pra casa para arrumar a mala. As 22h a Luisa chegará, tomaremos um vinho para compartilharmos nossa ansiedade até chegar a hora do tão esperado vôo. Destino: São Paulo. Objetivo: Assistir o show do U2.

Horas de vôo e finalmente chegamos em Campinas. Eu recebo meu primeiro presente do dia, uma pessoa muito especial me espera! =) Partimos todos pra São Paulo e o dia segue cheio de alegrias, cerveja e boas conversas.

18:30h – Hora de partirmos para o show! Dentro do táxi meu coração meio que tenta sair pela boca e eu penso: “Se eu não morrer do coração hoje, não morro nunca mais na vida de um ataque cardíaco. É muita emoção para um dia só.” Chegamos no Morumbi, um vento frio, mas nada que me faça negar uma cervejinha pra acalmar a ansiedade. Tento fazer algumas ligações, mas celular que é bom funcionar, nada. Ainda bem que no meio de 89 mil pessoas, a primeira que eu encontro quando entro no estádio é a Luciana! A “equipe” do show está fechada: Eu, Adília, Cassius, Luisa e Luciana. Vamos lá!!!

Estádio LOTADO! Procuramos, procuramos e encontramos um cantinho bacana e tranqüilo. Pouquinho tempo depois começa a banda de abertura – MUSE. E eu lá com cara de mongol olhando aquele palco enorme, aquele “mar” de gente e, só pra me certificar, vez por outra eu dizia: “Luisa, tu acredita que estamos aqui?” e ela: “Ainda, não!”.

O show! Não dá pra falar ou descrever. Nesse caso é necessário “ver pra crer”. Não é simplesmente um show de música. É espetáculo! É show no sentido mais completo da palavra. Vale a pena ver mesmo que você não goste da banda, mesmo que você não conheça a banda. É a maior estrutura de show que já existiu, é a maior banda do mundo e eu estava lá!

Ponto alto antes de começar o show - No som do Morumbi começa a tocar:

Não posso ficar
Nem mais um minuto
Com você
Sinto muito amor
Mas não pode ser
Moro em Jaçanã
Se eu perder esse trem
Que sai agora
Às onze horas
Só amanhã de manhã...”

Depois disso, U2!!!!

Ponto alto do show (parte 1): Após minha música preferida (Stuck in a Moment you can´t get out of) o Bono convida uma fã para subir no palco, entrega um papel e ela começa:

Meu coração, não sei por quê
Bate feliz quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo,
Mas mesmo assim foges de mim...”

Resultado: Lágrimas nos olhos. Acho o MÁXIMO quando qualquer artista estrangeiro fala que é fã de algum artista brasileiro. Quando o artista estrangeiro tenta cantar ou falar em português então, eu acho ultra, mega, power o máximo (como se fosse uma mãe vendo a apresentação do filho na escola). E quando algum cantor estrangeiro diz que não conhece nada de música brasileira, eu acho que ele é um ignorante!  Tudo bem que eu poderia não ser tão radical, até porque eu não sou muito conhecedora de música, mas eu acho que, literalmente, todo mundo tem que conhecer alguma coisa de música brasileira.
Tipo assim – Se há 45 dias atrás um angolano me perguntasse se eu gostava de Kuduro, ele levaria um tapão no pé do ouvido. Kkkkkkkk Graças ao programa “Esquenta” eu já sei o que é Kuduro e não tive que bater em ninguém pra descobrir isso.

Enfim, vamos voltar ao show do U2!

Ponto alto do show (parte 2): Homenagem às crianças mortas na escola de Realengo no Rio de Janeiro. O nome das crianças subindo no telão e as minhas lágrimas descendo no rosto. O Bono pede para que todos acendam as luzes dos seus celulares e, quando eu olho ao redor, o Morumbi parecia uma grande constelação. Um mini céu estrelado. Cada celular uma vela, em cada vela uma prece!

Inexplicável!




Beijos.
Amanda Klein

2 comentários:

  1. Amiga que maravilha!!! Amei sua descrição do texto e amei a parte do kuduru...tinha que ser a Amanda mesmo!! kkkkkkkk
    Beijãoooo

    ResponderExcluir
  2. Cara, fiquei arrepiada e feliz por você ter retomado sua postura nesse quase abandonado blog ( só não é por minha causa - hahaha),em auto estilo.
    E me aguarde, próximo post de fortes emoções vividas em espetáculos será o meu do show do Paul.
    Pauul, aí vou eu... Uhuuuuuu!
    Laris.

    ResponderExcluir