segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Sem Comentários

Gente, preciso confessar que ri do post da Amanda quando ela escreveu o quanto se tremia ao ver a Maria Rita. Porém, estou eu na fila da sala de embarque, domingo dia 18.10, indo para SP com conexão em Salvador e vejo um casal estranho, um cara com um jornal a 5 cm de distância do rosto e a menina lendo uma revista com a cabeça muito baixa. Começo a prestar atenção naquele casal que me chama muito a atenção, até que, tcharaaaan, cai a ficha, Marcelo Camelo e Malu Magalhães. Eu tremia, mas tremia sem condições de controlar os nervos. Como assim eu ali, a poucos metros do MARCELO CAMELO? Eu precisava fazer algo URGENTE. Então, deixei a máquina no ponto de bala e pensei em várias possibilidades de abordagem. Mesmo percebendo que pelas características da forma de se ler o jornal e a revista eles não queriam ser abordados. Abre aspas “claro que o que me importava de fato era o Camelo, ela era apenas um detalhe” fecha aspas.
Possibilidade 1: Chegaria como todo o mundo chega: Gente, desculpa, eu sei que é chato, mas não resisti e queria uma foto.
Possibilidade 2: Tiraria o meu relógio, sentaria ao lado deles lendo algo e então tomaria um susto daqueles de quando você se toca que ta atrasada e viraria para perguntar a hora e só então reconheceria e pediria a tal da foto.
Resumo da ópera, nenhuma das possibilidades, simplesmente a fila foi andando e eu andando junto até que, com alguns metros de distância e ainda muito trêmula tirei duas fotos. Uma ficou péssima e a outra sem condições de tão tremidas.
Enfim, estou eu dentro do avião ainda nervosa com tudo o que passei e sentam do meu lado dois caras de alguma banda e ficam conversando sobre o show do Ceará Music, até que, 1 minuto antes do avião fechar as portas, adivinhem quem entra? Eles, os próprios e sentam na minha frente (2 fila). Dá para acreditar em uma coisa dessas?
Detalhe: eu com todas as minhas coisas em cima de mim dessa vez não perdi a oportunidade, enquanto o Camelo colocava as coisas dele no porta bagagens, virei e falei: “MOÇO, põe essas coisas ai por favor.” Moço, como assim moço? Coisas que só o nervosismo mega que eu estava sentido explicam.
Detalhe 2: um dos caras do meu lado todo simpático, perguntando que programa era esse que eu tava usando no computador, se eu era engenheira ou arquiteta, etc e tal e eu me perguntando quem eram aqueles caras, de que banda eles eram.
Chegando em Salvador todos eles desembarcam e eu mando uma mensagem para a minha amiga Ju contando todo o ocorrido. Ainda bem que eu mandei para ela e ela disse que me entendia, que se fosse ela também não abordaria. Agora imaginem só se eu mando para a Amanda, claro que ela ia falar que eu tinha que pagar de tiete e não deixar A OPOTUNIDADE passar.
Enfim, estou eu em SP na sexta vendo o globo.com e vejo um post relatando os shows da mine turnê dos Los Hermanos e, quando chega a hora das fotos, adivinhem só, os outros dois caras sentados do meu lado eram o Bruno Medina (tecladista) e o Rodrigo Barba (baterista) do Los Hermanos. Esse último era o que ficava puxando assunto e, na minha cabeça, passou que ele era o Tico Santa Cruz dos Detonautas. Isso, eu vim descobrir em SP que o Tico tava na Fazenda, então não tinha como ser ele.
E aí, quando descobri isso, foi mais meia hora de tremedeira, quase tendo que tomar maracujina para acalmar os nervos.
É isso que dá, ser mega fã de uma banda e só conhecer os vocalistas. Se passa.com.br_123(piada interna).
E, como hoje é dia da segunda-feira musical, apesar de já ser quase terça, segue uma música dos meus amados Amarante e Camelo que eu amo de paixão (a música e eles).
P.S.: Ele chama a Malu de GATA. Eu detesto gata, mas pra ele eu fazia até miaaaaaauuuu.
Detalhe para a foto: Depois desse monte de cadeiras, são eles ali sentados na ponta, a de lenço na cabeça e o cabeludo barbado ao lado dela. Bacana a foto, né?! Das duas que eu tirei, essa é a melhor.
Mais Uma Canção
Composição: Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante

Nada vai mudar entre nós
Como eu sei?
Eu só sei
Tudo vai permanecer igual
Afinal
Não há nada a fazer
Eu não nego
Eu me entrego
Você é meu grande amor
Hoje eu vou te dizer "eu te amo”
Eu imploro
Eu te adoro
Você tem meu coração
A bater pra você mais uma canção
Como pode alguém perder você
Como eu fiz
Como eu quis não te ter?
Vivo iludido
A acreditar que o amor
Não se pôs em você
Eu me entrego
Eu não nego
Eu errei, mas sou capaz
de fazer sua vida melhor
Tô voltando
Não sei quando
Pra roubar teu coração
Vou chegar no final de mais uma canção.

Beijos tremidos,
Larissa!

3 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Vai frescar com a minha cara por causa da Maria Rita????!!!! Eu tenho é um autógrafo do Marcelo Camelo e do Rodrigo Amarante me chamando de Amandinha Klein e com desenho de barquinho e tudo mais!!! Chupa essa manga, nega véia!! Agora vamo combina...se essa foto é a melhor, imagina a outra kkkk Agora me explica como é que tu perde a oportunidade de conversar com o Bruno (eu tbm tenho um autógrafo dele) achando que o cara é o Santa Cruz do Detonautas. Sééééérios problemas mentais!! Páááára de beber, infeliz!!!

    ResponderExcluir
  2. Ri muito com o seu relato kkkkkkkkkkk

    Sortuda vc de viajar com o Los Hermanos..queria ter essa sorte.

    Gosto deles e adoro MUITO Marcelo Camelo. Ainda bem que fui nos dois shows que eles fizeram aqui em Salvador(no Domingo e na Segunda)

    E ele chama ela de "gata" mesmo( que meiguinhoo),e já li tb que ele chama ela de "gatinha" ou de "meu amor" kkkkk (fofocaaaaaa) rs

    Ahhhhh e adoro Mallu tb.

    BJs.

    ResponderExcluir
  3. kkkkk...não era o Tico Santa Cruz? kkkkkkkkk...não sabia do desfecho da história!!
    Beijão

    Rully

    ResponderExcluir